sexta, 12 de abril de 2019

Evento municipalista foi acompanhado por acadêmicos de Portugal e da Espanha

DivulgaçãoA voz do municipalista brasileiro perpassou os oceanos e ecoou também na Europa, por meio da transmissão ao vivo da XXII Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios. O evento terminou nesta quinta-feira, 11 de abril, mas as conquistas e os avanços registrados ainda reverberam. E, para a Confederação Nacional de Municípios (CNM), o fato de acadêmicos de Portugal e da Espanha terem acompanhado as plenárias e os debates promovidos no encontro demostra a ascensão do municipalismo nacional.

Enquanto acompanhava a programação e a apresentação do presidente Glademir Aroldi, o professor da Universidade de Santiago de Compostela, Luis Miguez, publicou vídeo de saudação à CNM e à Marcha. “Quero compartilhar com vocês a experiência de descentralização local que temos aqui Espanha desde a Constituição de 1978. Eu os animo a aprender com entusiasmos e vigor esse caminho de descentralização e potencialização das comunidades locais”, disse Miguez.

O evento também foi acompanhado por docentes durante reunião que debateu a Marcha, sua evolução e a próxima edição do encontro em 2020. “Acompanhamos a evolução do municipalismo no Brasil. Não há democracia sem Municípios fortes. Importa que os Municípios tenham uma afetiva autonomia, que passa também, necessariamente, além dos órgãos Legislativo e Executivo, por recursos financeiros, sem os quais não há autonomia”, afirmou o professor catedrático da Universidade do Minho, em Portugal, Antônio de Oliveira.

Ao acompanhar o evento, a professora da Universidade Lusófona de Portugual Catherine Maia também falou sobre o movimento municipalista brasileiro. “A autonomia local é um instrumento extremamente importante na Europa, em Portugal e na França, onde também temos muitos debates importantes. Sendo que a França sempre foi extremamente centralizada e está sendo descentralizada pouco a pouco”, afirmou. A doutoranda e pesquisadora em Gestão Local da mesma universidade Bárbara Barreiros contou que tem trabalhado matérias do Ente federado. Ag CNM

Atribuições
“Desejamos força aos prefeitos e que realmente o Munícipios no Brasil se tornem mais fortes, que haja uma melhor reorganização das atribuições de cada uma das entidades – entre União, Estados e Municípios –, e que os Municípios se tornem mais forte e consigam prestar melhores serviços as suas comunidades”, mencionou Bárbara.

Oliveira, que é professor Catedrático da Universidade do Minho, saudou o ex-presidente e o atual presidente da CNM, Paulo Ziulkoski e Glademir Aroldi, e, por fim, falou da importância do evento e dos debates que ele proporciona. Antônio de Oliveira refirmou que os interesses das pessoas no Brasil serão alcançados com o fortalecimento dos Municípios. “Certamente, o Brasil terá um lugar cimeiro no aspecto municipal na América Latina e, sem dúvida, na Europa e em todo o mundo”, finalizou.

Por Raquel Montalvão
Foto: Divilgação
Da Agência CNM de Notícias