quinta, 24 de janeiro de 2019

Palco principal da Marcha receberá autoridades dos Três Poderes; programação preliminar é divulgada

Ag LAREm 22 anos, a Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios (CNM) teve momentos marcantes para o movimento municipalista e para a política nacional. Boa parte desses acontecimentos ocorreu ou foi celebrada no palco principal, onde são recebidas autoridades, reforçados os pleitos dos gestores e anunciadas as conquistas.

Neste ano, não será diferente. Ao coincidir o terceiro ano de mandato dos prefeitos e vereadores com primeiro ano do Executivo e Legislativo Federal – que foi significativamente renovado -, a Marcha desperta grande interesse. “A expectativa está presa ao novo governo. Os governantes têm sempre a boa intenção de fazer o que tem que ser feito, mas até agora não conseguiram. Tomara que o presidente Bolsonaro consiga motivar a comunidade toda para que a gente tenha as reformas necessárias”, anseia Jarbas Martini, prefeito de Itaqui (RS).

Entre as mudanças e propostas que espera serem anunciadas para 2019, o gestor cita a da Previdência. Vale lembrar que, nas últimas edições, importantes anúncios foram feitos pelo presidente da República e ministros diante de mais de sete mil pessoas que comparecem ao Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB) – único lugar na capital federal capaz de receber tamanho público.

Marcado para 8 a 11 de abril, o evento também coincidirá com os 100 dias do novo governo federal, para os quais o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, anunciou, nesta quarta-feira, 23 de janeiro, 35 metas. Em reunião com o presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Glademir Aroldi, Lorenzoni e o ministro da Secretaria de Governo, Santos Cruz, também garantiram que vão buscar a confirmação da presença de Bolsonaro na Marcha.

Pauta e convidados
No palco principal, ainda devem passar deputados e senadores ligados à pauta prioritária municipal. Os presidentes da Câmara e do Senado costumam prestigiar o evento e discursar sobre a articulação com o movimento. Na ocasião, as lideranças municipalistas debatem com os parlamentares os projetos que aguardam serem pautados nas comissões e no plenário. No ano passado, a Nova Lei de Licitações e a Medida Provisória que estendeu o prazo para elaboração dos Planos de Desenvolvimento Urbano Integrado (PDUIs) e de Mobilidade Urbana (PMU) avançaram em decorrência da cobrança dos gestores.

Por enquanto, estão previstos: lançamento do Museu Municipalista, realização do 1º Fórum Municipalista de Consórcios e painéis com o Movimento Mulheres Municipalistas (MMM), governadores e assembleias legislativas. Ainda haverá debates com o Poder Judiciário para tratar de improbidade, e com os Tribunais de Contas sobre governança. Os vereadores também ganham espaço na plenária.

Ag CNMA CNM destaca que a programação, tanto do palco principal quanto das arenas, está sujeita a alterações. A agenda mais atualizada é a disponível no site. Durante o evento, haverá transmissão pelo canal do Youtube e pela página do Facebook da Confederação.

Assim como o prefeito Jarbas Martini, os gestores das cinco regiões do país se encontram em Brasília com um propósito, o de melhorar a vida da população pelo trabalho da administração municipal. “O presidente Bolsonaro quer arrumar o Brasil e isso é bem fácil: arruma os Municípios, que aí você já arrumou o país. Tomara que esse governo consiga equacionar um pouco melhor. Eu acredito que a Marcha é o caminho para isso”, ressalta.

Por: Amanda Maia

Da Agência CNM de Notícias

Fotos: Agência Lar/Ag. CNM