sexta, 01 de fevereiro de 2019

Para gestor de RR, oportunidade de identificar problemas em comum é diferencial da Marcha

aG CNMEm seu primeiro mandato, o prefeito de Cantá (RR), Carlos José da Silva, já entendeu que, de Norte a Sul do país, as dificuldades enfrentadas pelos gestores são as mesmas. Ele reconhece as diferenças regionais, principalmente no aspecto sociocultural, mas sabe que a semelhança é grande quando se trata de questões administrativas. Especialmente em um cenário de crise generalizada e queda na arrecadação.

“A gente, lá na ponta do Norte, acha que está distante de Brasília e das decisões. Achamos que o Sul e Sudeste é quem está perto, do lado. Mas os problemas são parecidos, e a distância também”, avalia. A constatação veio após participar da XXI Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios e em visitas à capital federal e à sede da Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Ao se inteirar da pauta e dos pleitos levantados pelo movimento municipalista e conversar com os técnicos da entidade e outros gestores, Silva percebeu que ele não estava só na luta para garantir a prestação de serviços básicos para a população e os investimentos na pequena cidade de Roraima. “Transporte escolar, merenda, dívidas das gestões passadas, CAUC, a luta de sempre e os recursos do FPM sendo bloqueados pela Receita”, lamenta.

Para este ano, ele espera que a Marcha se fortaleça como espaço de troca de experiências e conhecimento entre os prefeitos, vereadores e secretários. “Temos que vir, todos os gestores, pra ver que aqui, em Brasília, é um mundo diferente. Se você não vem, não enxerga como é o Brasil”, acredita.

A XXII Marcha ocorre de 8 a 11 de abril no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB) e deve reunir mais de 7 mil pessoas. As inscrições com desconto podem ser feitas até 23 de março. Confira.

Por: Amanda Maia
Foto: Jefferson Viana/Ag. CNM
Da Agência CNM de Notícias